Acórdão nº 10302/18.4T8LSB.L1-4 de Tribunal da Relação de Lisboa, 25 de Setembro de 2019

Magistrado Responsável:ALVES DUARTE
Data da Resolução:25 de Setembro de 2019
Emissor:Tribunal da Relação de Lisboa
RESUMO

I. Configura uma situação de assédio moral ou mobbing a colocação de uma trabalhadora licenciada em economia num open space juntamente com outros trabalhadores, sem atribuição de tarefas próprias da categoria profissional para que fora contratada e das funções que desempenhava durante mais de um ano (art.º 29.º do CT). II. Constituem danos não patrimoniais relevantes nos termos do art.º 496.º,... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS

Decisão Texto Parcial:


Acordam na Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa I - Relatório.

AAA intentou a presente acção declarativa com, processo comum, contra BBB, pedindo a condenação da ré: a. Pela prática de assédio moral e pela violação de deveres e garantias essenciais à relação laboral, presentes no ACT, nomeadamente nas alíneas a), e), h) e m) da cláusula 5.ª e a), b), c), f), g) e h) da cláusula 6.ª do ACT; b. Atribuir funções adequadas às habilitações da autora; c. Ao pagamento de uma indemnização nos termos do artigo 28.º CT e 483.º do CC quer por danos patrimoniais quer por danos não patrimoniais; d. A pagar o valor das consultas de psicoterapia que a autora teve até à presente data, que se reportam ao montante de € 244,05 (duzentos e quarenta e quatro euros e cinco cêntimos) e o montante de € 26,56 (vinte e seis euros e cinquenta e seis cêntimos) em medicação para o efeito e os valores vincendos até ao trânsito em julgado; e. O que perfaz o pagamento a título de danos patrimoniais o montante global de € 270,61 (duzentos e setenta euros e sessenta e um cêntimos); f. Ao pagamento de € 85.000,00 (oitenta e cinco mil euros) a título de danos não patrimoniais, por assédio e violação do dever de ocupação efectiva.

Para tanto, alegou, em síntese, que "foi admitida ao serviço da ré em 02.11.1999, mediante contrato de trabalho a termo, para exercer as funções de Técnico Superior Licenciado no apoio à equipa de gestão de produtos e serviços para o mercado residencial na área de Gestão de Mercados e Comunicação da Direcção Geral de Negócios Pessoais, tendo actualmente a categoria de Consultora nível 3, auferindo ultimamente o montante ilíquido de € 2.312,13. Em 2015, a autora mostrou disponibilidade para desempenhar função equivalente na área de marketing ou comercial, tendo para o efeito concluído o Curso de Auditorias Comerciais, passando a integrar a equipa de auditorias comerciais. Em 20 de Julho de 2016, a Direcção de Recursos Humanos, exigiu à autora que a mesma realizasse 45 auditorias, tarefa que era impossível tendo em consideração o tempo médio de duração de cada tarefa. A equipa em que a autora foi integrada pertencia a uma empresa de outsourcing, o que demonstra uma tentativa da ré retirar a autora dos seus quadros propondo-lhe ainda verbalmente a rescisão do contrato o que a autora recusou. Como retaliação a ré colocou a autora na USP – Unidade de Suporte, transferindo-a de posto de trabalho e retirando-lhe o horário flexível que viria a repor após ter feito uma reclamação. A ré manteve a autora um ano e meio sem funções, tendo o departamento de recursos humanos chamado a autora em Maio e posteriormente em Junho propondo-lhe a rescisão do contrato com o pagamento de uma indemnização. Em 31 de Agosto de 2017, o departamento de recursos humanos da ré voltou a chamá-la e a oferecer-lhe um lugar na Gestão de Edifícios na portaria ao que a autora terá respondido não se enquadrar no âmbito da categoria que tem, tendo várias vezes interpelado a ré para que a informasse por escrito a descrição das funções o que a ré nunca respondeu. Em consequência destes factos, a autora teve de recorrer a consultas de psicologia e psicoterapia, sofrendo de depressão e estando a tomar medicação".

Citada a ré, foi convocada e realizada audiência de partes, na qual as mesmas não quiseram acordar sobre o litígio que as divide.

Para tal notificada, a ré contestou, impugnando os factos e conclusões da autora.

Foi proferido despacho saneador que julgou verificada a validade da instância e dispensou, em face da simplicidade da causa, a fixação da matéria de facto.

Realizada a audiência de julgamento, a Mm.ª Juiz preferiu a sentença, na qual julgou a acção parcialmente procedente e, em consequência, decidiu condenar a ré BBB a pagar à autora a quantia de € 7.500,00 a título de indemnização por danos não patrimoniais e a atribuir-lhe funções de acordo com as habilitações e categoria que detém.

Desagradados, ambas as partes recorreram, embora a ré o tenha feito de forma subsidiária, apenas e só caso não fosse provida a arguição das nulidades da sentença que então separadamente arguiu.

No que concerne: 1. À apelação da autora a) a mesma formulou as seguintes conclusões: (…) b) Por seu turno, a apelada ré concluiu assim as suas contra-alegações: (…) 2. Quanto à ré, formulou as seguintes conclusões: a) em reclamação:[1] (…) b) na apelação: (…) c) A reclamada e apelada autora não contra-alegou.

De seguida, a Mm.ª Juiz a quo proferiu o seguinte despacho acerca da reclamação: "Veio a ré invocar a nulidade da sentença com fundamento na ausência de fundamentos de facto que a justifiquem e oposição entre os fundamentos e a decisão.

Notificada a autora não se pronunciou.

Cumpre decidir.

De acordo com o disposto no artigo 615.º, n.º 1, CPC, é nula a sentença quando, entre outras, 'b) Não especifique os fundamentos de facto e de direito que justificam a decisão;' e/ou 'c) Os fundamentos estejam em oposição com a decisão ou ocorra alguma ambiguidade ou obscuridade que torne a decisão ininteligível;'.

Assim, assiste parcialmente razão à ré.

No que tange à primeira – ausência de fundamentos de facto – esta não se verifique uma vez que estes estão especificados na fundamentação de facto. Contudo, admite-se lapso manifesto por omissão, que se rectificará, tanto mais que se manifestou na decisão a vontade de os reproduzir em sede de fundamentação de direito.

No que tange à segunda – oposição entre os fundamentos e a decisão – assiste razão à ré uma vez que o montante fixado pelo Tribunal em sede de fundamentação de direito diverge daquele que foi aposto no segmento decisório. E, pese embora em rigor tal se tenha ficado a dever a lapso de escrita da signatária, certo é que tal conduziu à alegada contradição.

Nesta conformidade, pelos fundamentos expostos e ao abrigo do disposto no artigo 77.º, n.º 3, do Código de Processo de Trabalho declaro nula a sentença proferida a folhas 112 a 134 vs., proferindo nova sentença que substitui aquela na íntegra".

Notificadas as partes, apenas a autora se veio pronunciar para, nos termos dos n.

os 2 e 3 art.º 617.º do Código de Processo Civil, manifestar a vontade de prosseguir com o recurso já apresentado.

Face a isso, foram admitidos os recursos na 1.ª Instância e remetidos os autos a esta Relação de Lisboa e, uma vez aqui, foi proferido despacho a conhecer das questões que pudessem obstar ao conhecimento do recurso[2] e a determinar que os autos fossem com vista ao Ministério Público,[3] o que foi feito, tendo nessa sequência a Exm.ª Sr.ª Procuradora-Geral Adjunta emitido o seguinte parecer: Do Recurso da Ré: A Ré nos autos, BBB., discordando parcialmente da douta sentença, dela recorreu, arguindo de forma expressa e separada a nulidade da sentença prevista na alínea b) e c) do n.º 1 do art.º 615.º do CPC por se verificar não estarem especificados os fundamentos de facto que justificam a decisão e existirem fundamentos que se acham em oposição com a decisão.

Quanto à invocada especificação dos fundamentos de facto justificativos da condenação da Ré, incidiu douto despacho que embora tenha considerado que os mesmos estavam especificados na fundamentação de facto, admitiu-se tal lapso por omissão que se rectificou, tanto mais que se manifestou na decisão a vontade de os reproduzir em sede de fundamentação de direito.

Quanto à oposição entre os fundamentos e a decisão, considerou o mesmo despacho que devendo-se embora a lapso de escrita, que assistia razão à Ré uma vez que o montante fixado pelo tribunal em sede de fundamentação de direito divergia do que foi aposto no segmento decisório, fazendo-se coincidir a indemnização a título de danos não patrimoniais de € 7.500,00 na fundamentação de direito e no segmento decisório.

A Ré Recorrente, pretende ainda a reapreciação da matéria de facto, que tem por objecto a análise das seguintes questões: indemnização por danos morais, condenação da Ré em atribuir funções à Autora e condenação nas custas.

Considera a Ré que a prova produzida não era de molde a permitir a conclusão de que a Autora fosse uma pessoa apática, triste, revoltada e depressiva como consequência da situação de inactividade e que da prova produzida testemunhal e documental, não se verifica relação de causa efeito entre as consultas médicas e a situação de inactividade da Autora.

Propõe a Ré Recorrente a seguinte redacção para o quesito 23. "No período posterior a 11/12/2017 a Autora frequentou sessões de psicoterapia e consultas de psiquiatria".

E quanto aos danos morais sustenta a Recorrente, atento o que ficou assente nos pontos 40 a 44, os exemplos de actos susceptíveis de serem classificados como assédio moral consignados no "Guia" publicado no si/e da ACT, o facto de as funções na "portaria" nunca terem passado de uma hipótese que não se concretizou, terá de se concluir, refere a Recorrente, que foi a Autora que se colocou voluntariamente numa situação de não querer receber trabalho pelo que deve ser a Ré absolvida do pagamento da indemnização de danos morais e pelas mesmas razões deve ser absolvida de condenação na atribuição de funções à Autora.

Discorda-se da Ré, não só quanto à redacção proposta para o quesito 23, não se justificando a proposta alteração à matéria de facto sugerida, já que se afigura que a douta sentença na parte alvo da sua discordância, fez uma correcta apreciação da matéria de facto, para o que aliás a l ." instância beneficia da imediação e oralidade. Como foi adequada a subsunção da factual idade provada ao conceito de assédio moral, atenta a inactividade forçada a que sujeitou a Autora, extraindo a douta sentença as devidas consequências (à excepção da parte relativa a danos patrimoniais, como adiante se referirá).

Deve pois o Recurso da Ré improceder.

Do Recurso da Autora: O recurso da Recorrente Autora AAA tem por objecto matéria de facto e de direito da sentença, que assenta nas seguintes questões: - Erro na apreciação do efectivo início da...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO