Acórdão nº 9065-12.1TCLRS.L1-6 de Tribunal da Relação de Lisboa, 26 de Março de 2015

Magistrado Responsável:TOM
Data da Resolução:26 de Março de 2015
Emissor:Tribunal da Relação de Lisboa
RESUMO

- À luz do novo regime do arrendamento urbano, decorrente do art.º 1091.º, n.º1, alínea a), do C. Civil, na redação que lhe foi dada pela Lei n.º 6/2006 de 27 de fevereiro, o direito de preferência atribuído ao arrendatário coincide e está limitado ao local arrendado, enquanto bem jurídico autónomo, pelo que sendo arrendatário de parte do imóvel não sujeito ao regime de propriedade horizontal não ... (ver resumo completo)

 
TRECHO GRÁTIS

Decisão Texto Parcial:


Acordam no Tribunal da Relação de Lisboa: I. Relatório: A...

e mulher, M...

, residentes ..., intentaram contra J...

e mulher, M...

, residentes ….

J..., residente ..., e J..., residente ..., a presente ação declarativa, sob a forma de processo ordinário, pedindo que lhe seja reconhecido o direito de haverem para si, pelo valor proporcional de € 40.000,00, o 1º andar do prédio sito na Rua dos Combatentes da Grande Guerra nº 6, em Loures, andar do qual o A. é arrendatário desde 1968; ou caso assim se não entenda, por o prédio não estar constituído em propriedade horizontal, pedem que lhes seja reconhecido o direito de haverem para si a totalidade do prédio que os 2º e 3º RR. venderam ao 1º R. marido pelo valor de € 200.000,00.

Procederam ainda os AA. ao depósito do valor para pagamento do preço e despesas, no montante de € 207.917,27.

Citados, contestaram os RR., por impugnação, alegando que os AA. rejeitaram o projeto de venda que os RR. senhorios lhes deram a conhecer para preferência, tendo-lhes aqueles comunicado pretenderem preferir apenas relativamente ao andar de que são arrendatários, sendo certo que o prédio não está constituído em propriedade horizontal e o projeto de venda em causa tinha, naturalmente, por objeto todo o prédio, tendo desse modo os AA. Renunciado ao direito de preferência.

Foi proferido saneador sentença que julgou a ação improcedente e absolveu os RR. dos pedidos.

Inconformados recorreram os Autores, apresentando as alegações e concluindo nos termos seguintes: 1ª – Além dos factos elencados na fundamentação da sentença apelada, os AA. Alegaram (art. 30º da P.I.) que a licença de utilização do prédio dos autos só foi emitida em 18 de Maio de 2012 e alegaram, também que, depois da carta de 27 de Junho de 2011 do R. João Miguel Cosme Saiote, o 2º andar do prédio ficou devoluto (art. 33º da P.I.).

  1. – Estes factos estão admitidos por acordo e, como os demais elencados, têm relevo para a boa decisão da causa, pelo que devem acrescer à matéria de facto assente.

  2. – Não vindo assim entendido, a douta sentença apelada violou o disposto nos arts. 574º, n.º 2 e 607º, n.º 3 do C.P.C.

  3. – Os factos alegados pelos AA. são suficientes para permitirem ao Tribunal, por via de interpretação extensiva do disposto no art. 1417º do C.C., decretar a constituição da propriedade horizontal relativamente ao prédio dos autos e, com tal base, julgar procedente o pedido principal, nos termos do art. 1091º, n.º 1, al. a) e n.º 4 do C.C.

  4. – O andar de um prédio, ainda não submetido ao regime da propriedade horizontal, é “coisa” para os efeitos do disposto no art. 417º, n.º 1 do C.C., como são “coisas outras” os demais andares do mesmo prédio, atento o previsto nos arts. 202º, n.º 1, 6ª – O evoluir histórico do instituto da preferência do locatário habitacional (desde a Lei n.º 63/77 até à atual redação do art. 1091º do C.C.) não pode ser havido como “correção dogmática” desse instituto, visando restringir o exercício da preferência aos casos em que a coisa locada tenha individualidade jurídica própria.

  5. – A ordem jurídica nacional criou os meios que permitem exercer o direito de preferência do locatário habitacional, alargando-o a todo o prédio, no caso de o locado não se achar legalmente autonomizado, como é Jurisprudência quase uniforme e como decorre do art. 1029º do C.P.C.

  6. – Entender o nosso ordenamento jurídico, no plano da lei ordinária, como restringindo ou visando restringir esse direito, quando, nos termos da sentença apelada, o mesmo “não se pode exercer”, seria propósito ou interpretação gravemente ofensiva do nosso ordenamento constitucional, já que o imperativo constitucional, de acesso à habitação própria, que presidiu à criação da preferência na locação habitacional, se mantém em vigor, atualmente, na alínea c) do n.º 2 do art. 65º da C.R.P. (vide o n.º 3 do mesmo normativo constitucional).

    9ª – A factualidade provada permite concluir, se não pela procedência do pedido principal, pela procedência do pedido subsidiário.

  7. – Porque não vem assim entendido, pela sentença apelada, a mesma violou as normais legais supra citadas.

    Nestes termos ou noutros melhores que V.Exas. doutamente se dignarão suprir, deve o presente recurso ser provido e, em consequência, ser revogada a decisão apelada e substituída por outra que julgue procedente o pedido principal ou o subsidiário.

    *** Contra-alegaram os recorridos, defendendo a bondade da decisão e pugnando pela sua manutenção.

    O recurso foi admitido como de apelação, a subir imediatamente, nos próprios autos e com efeito meramente devolutivo.

    Colhidos os vistos, cumpre apreciar e decidir.

    *** II – Âmbito do Recurso.

    Perante o teor das conclusões formuladas pelos recorrentes – as quais (excetuando questões de conhecimento oficioso não obviado por ocorrido trânsito em julgado) definem o objeto e delimitam o âmbito do recurso - arts. 608.º, nº2, 609º, 620º, 635º, nº3, 639.º/1, todos do C. P. Civil em vigor, constata-se que as questões essenciais decidendas são as seguintes: a) Ampliação dos factos assentes.

    b) Saber se os Autores têm direito de preferência na aquisição do imóvel.

    c) Se a resposta for afirmativa, saber se ocorreu a caducidade ao exercício desse direito.

    *** III – Fundamentação fáctico-jurídica: 1. Matéria de facto.

    1.1. Na decisão recorrida foram considerados assentes os factos seguintes: 1 – Por acordo verbal de 01/04/1968, J... cedeu ao A., para habitação, o uso e fruição do 1º andar do prédio sito na Rua dos Combatentes da Grande Guerra nº 6, em Loures, inscrito na matriz predial urbana da freguesia de Loures sob o artº 2425 e descrito na 1ª C. R. Predial de Loures sob o nº 1493 da freguesia de Loures.

    2 – O dito prédio não se encontra constituído em propriedade horizontal e é composto de rés-do-chão para comércio e 1º, 2º e 3º andares para habitação.

    3 – A propriedade relativamente àquele prédio chegou à titularidade dos 2º e 3º RR. por herança e subsequente partilha.

    4 – O R. J ... dirigiu ao A. carta datada de 14/06/2011 que se encontra a fls. 20, na qual refere: 5 – O A. respondeu a essa missiva pela sua carta datada 20/06/2011 que se encontra a fls. 21 dos autos e cujo teor se dá por reproduzido, na qual refere: “-que o meu direito de preferência radica no art.º 1091.º, n.º1, al. a) e não no disposto no art.º 1380.º do C. Civil, - que, através da carta a que respondo, não me é comunicado o projeto de venda e as cláusulas do respetivo contrato, nomeadamente a identidade do interessado comprador, como exige o disposto no art.º 416.º n.º1 do C. Civil; - que não me é dito se o prédio tem inquilinos no r/c, no 2.º e 3.º andares e, na afirmativa, quais as rendas por elas pagas”.

    6 – A essa carta do A. respondeu o R. J... pelo escrito datado de 27/06/2011, que se encontra a fls. 22 dos autos, dizendo: 7 – De novo respondeu o A. ao R. J... pela carta datada de 04/07/2011 que se encontra a fls. 23, nela dizendo: Como inquilino do 1.º andar do prédio n.° 6 da Rua dos Combatentes da Grande Guerra em Loures, de que é comproprietário (ou co-herdeiro), venho declarar-lhe quer pretendo exercer o meu direito de preferência na venda que pretende fazer desse prédio, mas só relativamente ao andar que me está arrendado.

    É que, só conseguindo eu reunir a quantia de 150.000,00 € e não a de 200.000,00 € que o Sr. J... oferece por todo o prédio, vejo-me forçado a lançar mão da faculdade consignada no art.º 417.°, n.° 1 do Código Civil, ou seja, exercer preferência só relativamente ao 1.º andar, "pelo preço que...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO